Carta aberta à comunidade sobre o caso das duas adolescentes estupradas pelos integrantes da banda NewHit

Carta aberta à comunidade sobre o caso do estupro coletivo de duas adolescentes pelos integrantes da Banda NewHit:

Duas adolescentes foram estupradas por vários homens de uma banda de pagode em Salvador. E os apresentadores dos programas sensacionalistas que embrulham e alimentam os estômagos alheios com as “tragédias” cotidianas de nossa cidade se questionam sem resposta: “Que fenômeno é esse??”

O que estaria acontecendo com as bandas de pagode de Salvador? Nada de novo, apenas a continuidade de uma mesma lógica… Há tempos essas bandas têm edificado o seu sucesso na objetificação da mulher, fazendo da violência algo comum e consentido, transformando o NÃO em uma espécie de “sim” subjetivo. A violência simbólica vinda das letras diz respeito a um gênero musical opressor, criminoso e usurpador de liberdade, e não podemos confundir liberdade sexual com estupro e submissão.

Assim como os comerciais com exibição de mulheres como mercadoria, ou apêndice delas, essas músicas fazem diretamente o trabalho de colocar a mulher em uma posição de amostra grátis: “pegue, coma e faça o que quiser”. Do que se diz para o que se faz não há muita distância.. A violência às vezes cantada de forma despercebida pela população apenas dá margem e legitima a prática do estupro e demais agressões contra a mulher. É uma violência ratificando outra.

E a sociedade agora a se perguntar: Que “fenômeno” é esse? É o mesmo que machuca, agride, xinga, violenta, humilha e estupra mulheres há centenas de anos! Nada é novo. Não podemos continuar sendo coniventes com a naturalização dessa violência que nada tem a ver com música. Essas meninas não foram as primeiras; a diferença é que elas não se calaram. O Coletivo Poder e Ação Feminista da Bahia vem demonstrar através desta carta aberta toda a solidariedade a essas adolescentes e toda a nossa revolta diante da perpetuação dessa violência.

Anúncios

Chamada – Reunião de Plano de Ação contra a desocupação da comunidade do Quilombo Rio dos Macacos

O PAFBA solicita o comparecimento de todxs que defendam a causa do Quilombo Rio dos Macacos à reunião que ocorrerá no dia 16/08/2012, quinta-feira, no passeio público, Teatro Vila Velha às 18:30 para definição de um Plano de Ação contra a desocupação da comunidade quilombola do local.

Compareçam!

Em breve, mais textos sobre o Quilombo.

Olá pessoas!

Sejam bem-vindxs ao blog do Coletivo Poder e Ação Feminista da Bahia!

O Coletivo Poder e Ação Feminista da Bahia nasceu da experiência de organização e protesto da Marcha das Vadias em Salvador nos anos de 2011 e 2012. Com o intuito de ampliar o espectro de atuação política, o Coletivo PAFBa foi instituído em julho de 2012 e se dedica a trabalhar com atividades ligadas a diversas questões de gênero, como o tema da violência contra as mulheres, dos direitos reprodutivos e dos direitos ligados à população LGBTT. Pretende-se atuar com pessoaS de diversos grupos sociais por meio da organização de manifestações, atos públicos, seminários, rodas de conversa, debates, entre outros.
Saudações feministas! o/